CURSO FORMATAÇÃO DE HDS

Para sua melhor compreensão e também para um rápido aprofundamento no
assunto, desenvolvemos este anexo. Com ele você poderá encontrar as
principais informações e conceitos sobre disco rígidos e seu funcionamento. De
posse dessas informações fica mais fácil (e rápido) identificar e resolver
problemas que possam vir a ocorrer durante uma formatação ou instalação do
Sistema Operacional. Essa é sua chance de deixar de ser um simples leigo e
avançar mais um passo em direção ao conhecimento. Não se preocupe em
guardar os conceitos. Preocupe-se em entender a lógica por trás das coisas
(como e para que o HD utiliza os platters, por exemplo). Com o tempo, os
conceitos vao sendo decorados pelo cérebro, principalmente os mais utilizados.
Para isso , volte periódicamente nesse anexo, comente com amigos na escola ,
no trabalho, na academia, com a família, enfim, seja criativo ! Tente ensinar ao
máximo de pessoas possíveis o que você aprendeu. Com isso você assimilará
mais rapidamente o assunto. Bom estudo !

1.0 DISCO RÍGIDO

Sem dúvida, o disco rígido foi um dos componentes que mais evoluiu na história
da computação. O primeiro disco rígido foi construído pela IBM em 1957, e era
formado por nada menos que 50 discos de 24 polegadas de diâmetro, com uma
capacidade total de 5 Megabytes, incrível para a época.
Este primeiro disco rígido, foi chamado de “Winchester” termo muito usado ainda
hoje para designar HDs de qualquer espécie. Ainda no início da década de 80,
os discos rígidos eram muito caros e modelos de 10 Megabytes custavam quase
2.000 dólares, enquanto hoje compramos modelos de 80 Gigabytes por menos
de 200 reais.O disco rígido é um sistema lacrado contendo discos de metal
recobertos por material magnético onde os dados são gravados através de
cabeças, e revestido externamente por uma proteção metálica que é presa ao
gabinete do computador por parafusos. É nele que normalmente gravamos
dados (informações) e a partir dele lançamos e executamos nossos programas
mais usados.
Disco rígido, disco duro ou HD (Hard Disk) é a parte do computador onde são
armazenadas as informações, ou seja, é a “memória que não apaga”
propriamente dita (não confundir com “memória RAM”). Caracterizado como
memória física, não-volátil, que é aquela na qual as informações não são
perdidas quando o computador é desligado.
Este sistema é necessário porque o conteúdo da memória RAM é apagado
quando o computador é desligado. Desta forma, temos um meio de executar
novamente programas e carregar arquivos contendo os dados da próxima vez
em que o computador for ligado. O disco rígido é também chamado de memória
de massa ou ainda de memória secundária. Nos sistemas operativos mais
recentes, o disco rígido é também utilizado para expandir a memória RAM,
através da gestão de memória virtual.
Existem vários tipos de discos rigidos diferentes: IDE/ATA, SATA, SCSI, Fibre
channel.
O tamanho dos discos magnéticos, determina o tamanho físico do disco rígido.
Atualmente, o tamanho de disco rígido mais comum é 3,5 polegadas. Podemos
encontrar também modelos de 5,25 polegadas (quase do tamanho de um drive
de CD-ROM), como os modelos Quantum BigFoot, muito vendidos até pouco
tempo atrás. Estes discos maiores, porém, não são uma boa opção de compra,
pois são bem mais lentos e mais passíveis de problemas que seus irmãos
menores. Isso se deve à vários fatores: O primeiro é que sendo seus discos
maiores, não se consegue fazê-los girar a uma velocidade muito alta,
ocasionando lentidão no acesso aos dados gravados. O problema da lentidão é
agravado por mais um fator: sendo a superfície dos discos muito maior, as
cabeças de leitura demoram muito mais tempo para conseguir localizar os
dados, justamente devido à distância maior a ser percorrida. Outro problema é
que devido ao maior esforço, o mecanismo de rotação também é mais passível
de defeitos. Encontramos também discos de 2,5 polegadas, destinados a
notebooks devido ao seu tamanho reduzido e baixo consumo de energia.

HD

COMPUTADOR

2.0 FUNCIONAMENTO DO DISCO RÍGIDO

Dentro do disco rígido, os dados são gravados em discos magnéticos,
chamados em inglês de platters. Estes discos internos são compostos de duas
camadas.
A primeira é chamada de substrato, e nada mais é do que um disco metálico,
geralmente feito de ligas de alumínio. A fim de permitir o armazenamento de
dados, este disco é recoberto por uma segunda camada, agora de material

magnético. Os discos são montados em um eixo que por sua vez gira graças a
um motor especial.
Para ler e gravar dados no disco, usamos cabeças de leitura eletromagnéticas
(heads em inglês) que são presas a um braço móvel (arm), o que permite o seu
acesso a todo o disco. Um dispositivo especial, chamado de atuador, ou actuator
em inglês, coordena o movimento das cabeças de leitura.

DISCO RIGIDODESCRIÇÃO DOS COMPONENTES PRINCIPAIS DE UM HD

Para organizar o processo de gravação e leitura dos dados gravados no disco
rígido, a superfície dos discos é dividida em trilhas e setores. As trilhas são
círculos concêntricos, que começam no final do disco e vão se tornando
menores conforme se aproximam do centro. Cada trilha recebe um número, que
permite sua fácil localização. A trilha mais externa recebe o número 0 e as
seguintes recebem os números 1, 2, 3, e assim por diante. Para facilitar ainda
mais o acesso aos dados, as trilhas se dividem em setores, que são pequenos
pedaços onde são armazenados os dados, sendo que cada setor guarda 512
bytes de informações. Um disco rígido atual possui entre 150 ou 300 setores em
cada trilha (o número varia de acordo com a marca e modelo), possuindo em
torno ou 3000 trilhas.
Para definir o limite entre uma trilha e outra, assim como onde termina um setor
e onde começa o próximo, são usadas marcas de endereçamento, pequenas
marcas com um sinal magnético que orientam a cabeça de leitura, permitindo à
controladora do disco localizar os dados desejados.
Além das trilhas e setores, temos também as faces de disco. Um HD é formado
internamente por vários discos empilhados, sendo o mais comum atualmente o
uso de 2 ou 3 discos. Assim como num disquete, podemos usar os dois lados do
disco para gravar dados, cada lado passa então a ser chamado de face. Em um
disco rígido com 2 discos por exemplo, temos 4 faces. Como uma face é isolada
da outra, temos num disco rígido várias cabeças de leitura, uma para cada face.
Apesar de possuirmos várias cabeças de leitura num disco rígido, elas não se
movimentam independentemente, pois são todas presas à mesma peça
metálica, chamada braço de leitura. O braço de leitura é uma peça triangular,
geralmente feita de alumínio, que pode se mover horizontalmente. Para acessar
um dado contido na trilha 982 da face de disco 3 por exemplo, a controladora do

disco ativa a cabeça de leitura responsável pelo disco 3 e a seguir ordena ao
braço de leitura que se dirija à trilha correspondente. Não é possível que uma
cabeça de leitura esteja na trilha 982, ao mesmo tempo que outra esteja na trilha
5631 por exemplo, justamente por seus movimentos não serem independentes.
Já que todas as cabeças de leitura sempre estarão na mesma trilha de seus
respectivos discos, deixamos de chamá-las de trilhas e passamos a usar o
termo cilindro. Um cilindro nada mais é do que o conjunto de trilhas com o
mesmo número nos vários discos. Por exemplo, o cilindro 1 é formado pela trilha
1 de cada face de disco, o cilindro 2 é formado pela trilha 2 de cada face, e
assim por diante. Em essência, quando falamos em trilhas

4DIVISÃO DOS DISCOS EM TRILHAS, SETORES E CILINDROS

 

5

AQUI UMA FOTO REAL DO SISTEMA ILUSTRADO ACIMA

3.0 COMO OS DADOS SÃO LIDOS E GRAVADOS
Os discos magnéticos de um disco rígido são recobertos por uma camada
magnética extremamente fina. Na verdade, quanto mais fina for a camada de
gravação, maior será sua sensibilidade, e consequentemente maior será a
densidade de gravação permitida por ela. Poderemos então armazenar mais
dados num disco do mesmo tamanho, criando HDs de maior capacidade.
Os primeiros discos rígidos, assim como os discos usados no início da década
de 80, utilizavam a mesma tecnologia de mídia magnética utilizada em
disquetes, chamada coated media, que além de permitir uma baixa densidade
de gravação, não é muito durável. Os discos atuais já utilizam mídia laminada
(plated media); uma mídia mais densa, de qualidade muito superior, que permite
a enorme capacidade de armazenamento dos discos modernos.
A cabeça de leitura e gravação de um disco rígido funciona como um eletroímã
semelhante aos que estudamos nas aulas de ciências do primário, sendo
composta de uma bobina de fios que envolvem um núcleo de ferro. A diferença
é que num disco rígido, este eletroímã é extremamente pequeno e preciso, a
ponto de ser capaz de gravar trilhas medindo menos de um centésimo de
milímetro.
OBSERVE

6

OBSERVE A CABEÇA DE LEITURA DO LADO OPOSTO DA BORBOLETA

Quando estão sendo gravados dados no disco, a cabeça utiliza seu campo
magnético para organizar as moléculas de óxido de ferro da superfície de
gravação, fazendo com que os pólos positivos das moléculas fiquem alinhados
com o pólo negativo da cabeça e, consequentemente, com que os pólos
negativos das moléculas fiquem alinhados com o pólo positivo da cabeça.
Usamos neste caso a velha lei “os opostos se atraem”.
Como a cabeça de leitura e gravação do HD é um eletroímã, sua polaridade
pode ser alternada constantemente. Com o disco girando continuamente,
variando a polaridade da cabeça de gravação, variamos também a direção dos
pólos positivos e negativos das moléculas da superfície magnética. De acordo
com a direção dos pólos, temos um bit 1 ou 0. Para gravar as seqüências de bits

1 e 0 que formam os dados, a polaridade da cabeça magnética é mudada alguns
milhões de vezes por segundo, sempre seguindo ciclos bem determinados.
Cada bit é formado no disco por uma seqüência de várias moléculas. Quanto
maior for a densidade do disco, menos moléculas serão usadas para armazenar
cada bit e teremos um sinal magnético mais fraco. Precisamos então de uma
cabeça magnética mais precisa.
Quando é preciso ler os dados gravados, a cabeça de leitura capta o campo
magnético gerado pelas moléculas alinhadas. A variação entre os sinais
magnéticos positivos e negativos gera uma pequena corrente elétrica que
caminha através dos fios da bobina. Quando o sinal chega na placa lógica do
HD, ele é interpretado como uma seqüência de bits 1 e 0.
Vendo desta maneira, o processo de armazenamento de dados em discos
magnéticos parece ser simples, e realmente era nos primeiros discos rígidos
(como o 305 RAMAC da IBM), que eram construídos de maneira praticamente
artesanal. Apesar de nos discos modernos terem sido incorporados vários
aperfeiçoamentos, o processo básico continua sendo o mesmo.
Para que o sistema operacional seja capaz de gravar e ler dados no disco rígido,
é preciso que antes sejam criadas estruturas que permitam gravar os dados de
maneira organizada, para que eles possam ser encontrados mais tarde. Este
processo é chamado de formatação.
Existem dois tipos de formatação, chamados de formatação física e formatação
lógica. A formatação física é feita apenas na fábrica ao final do processo de
fabricação, e consiste em dividir o disco virgem em trilhas, setores e cilindros.
Estas marcações funcionam como as faixas de uma estrada, permitindo à
cabeça de leitura saber em que parte do disco está, e onde ela deve gravar
dados. A formatação física é feita apenas uma vez, e não pode ser desfeita ou
refeita através de software.
Porém, para que este disco possa ser reconhecido e utilizado pelo sistema
operacional, é necessária uma nova formatação, chamada de formatação lógica.
Ao contrário da formatação física, a formatação lógica não altera a estrutura
física do disco rígido, e pode ser desfeita e refeita quantas vezes for preciso,
através do comando FORMAT do DOS por exemplo. O processo de formatação,
é quase automático, basta executar o programa formatador que é fornecido junto
com o sistema operacional.
Quando um disco é formatado, ele simplesmente é organizado “do jeito” do
sistema operacional, preparado para receber dados. A esta organização damos
o nome de “sistema de arquivos”. Um sistema de arquivos é um conjunto de
estruturas lógicas e de rotinas que permitem ao sistema operacional controlar o
acesso ao disco rígido. Diferentes sistemas operacionais usam diferentes
sistemas de arquivos.
Os sistemas de arquivos, mais usados atualmente são o FAT16, compatível com
o DOS e todas as versões do Windows, e o FAT32, compatível apenas com o
Windows 98, Windows 2000 e Windows 95 OSR/2 (uma versão “debugada” do
Windows 95, com algumas melhorias, vendida pela Microsoft apenas em
conjunto com computadores novos) e, finalmente, o NTFS, suportado pelo
Windows 2000, Windows NT e Windows XP. Outros sistemas operacionais

possuem seus próprios sistemas de arquivos; o Linux usa geralmente o EXT2 ou
EXT3 enquanto o antigo OS/2 usa o HPFS.
Quando o micro é ligado, o BIOS (um pequeno programa gravado em um chip
na placa-mãe, que tem a função de “dar a partida no micro”), tentará inicializar o
sistema operacional. Independentemente de qual sistema de arquivos você
esteja usando, o primeiro setor do disco rígido será reservado para armazenar
informações sobre a localização do sistema operacional, que permitem ao BIOS
“achá-lo” e iniciar seu carregamento.

7

TELA COMUM DE BIOS DE UM PC (AO INICIAR O PC , PRESSIONE DEL RAPIDAMENTE PARA ACESSÁ-LA)

4.0 BIOS
O BIOS (sigla de Basic Input/Output System) é um programa armazenado na
memória só de leitura (Read Only Memory, ou ROM) que serve basicamente
para informar ao processador como trabalhar com os periféricos mais básicos do
sistema, como, por exemplo, o drive de disquete.
Um computador pode ser definido como um dispositivo que apenas executa
instruções. Ele não sabe da existência de dispositivos tais como discos, teclado,
monitores, placas de vídeo. É aqui que entra o BIOS do IBM-PC e compatíveis.
Na ausência de alguns periféricos básicos, como o teclado, por exemplo, ele
emite uma mensagem de erro. Se tudo correu bem na fase de detecção, ele
passa para a próxima fase, ou seja, ele verifica se no drive de disquete está um
disco flexível e, se estiver, tenta ler o primeiro setor do disco. Este setor de disco
contém uma instrução de salto (JMP) para o endereço onde se encontra o
código que carrega o sistema operacional, chamado de bootstrap, ou programa
de boot.
MAIS

O setor de disco (que não deve exceder 512 bytes) deve terminar com um
número mágico, que faz com que o BIOS o identifique como sendo um setor de
boot propriamente dito. Na ausência desse número mágico, o BIOS pede que
você insira um outro disco.
Adicionalmente, o BIOS oferece um conjunto de serviços para ler setores de
disco, exibir caracteres na tela, ler o teclado, e assim por diante, o que permite a
programas como o MS-DOS (e o próprio programa de boot já mencionado) usar
esses serviços sem ter que saber exatamente como funciona cada dispositivo
(ou seja, o BIOS é uma primeira camada de abstração entre os aplicativos ou
DOS e o hardware). Os serviços do BIOS estão disponíveis através de
chamadas a interrupções, que devem ser feitas apenas no chamado modo real
de um computador tipo PC. Sistemas operacionais em modo protegido não
usam, normalmente, os serviços do BIOS, e devido a isso devem implementar
as suas próprias rotinas de acesso direto ao hardware.

8

JUNTAS, ESSAS 3 FORMAM OS TIPOS DE BIOS MAIS ENCONTRADAS

5.0 SETOR DE BOOT
No setor de boot é registrado qual sistema operacional está instalado, com qual
sistema de arquivos o disco foi formatado e quais arquivos devem ser lidos para
inicializar o micro. Um setor é a menor divisão física do disco, e possui sempre
512 bytes. Um cluster (também chamado de agrupamento) é a menor parte
reconhecida pelo sistema operacional, e pode ser formado por vários setores.
Um arquivo com um número de bytes maior que o tamanho do cluster, ao ser
gravado no disco, é distribuído em vários clusters. Porém um cluster não pode
pertencer a mais de um arquivo.

9

COMANDO DO WINDOWS XP (fixboot), QUE PODE RESOLVER MUITOS PROBLEMAS DE SETORES DE BOOT
DEFEITUOSOS

Um único setor de 512 bytes pode parecer pouco, mas é suficiente para
armazenar o registro de boot devido ao seu pequeno tamanho. O setor de boot
também é conhecido como “trilha MBR”, “trilha 0”, etc.
Como dito, no disco rígido existe um setor chamado MBR (Master Boot
Record), que significa “Registro de Boot Mestre”, onde é encontrada a tabela de
partição do disco que dará boot. O MBR é lido pelo BIOS, que interpreta a tabela
de partição e em seguida carrega um programa chamado “bootstrap”, que é o
responsável pelo carregamento do Sistema Operacional, no setor de boot da
partição que dará o boot.
O MBR e a tabela de partição ocupam apenas um setor de uma trilha, o restante
dos setores desta trilha não são ocupados, permanecendo vazios e inutilizáveis,
servindo como área de proteção do MBR. É nesta mesma área que alguns vírus
(vírus de boot) se alojam.Disquetes, Zip-disks e CD-ROMs não possuem MBR
nem tabela de partição. Estes são exclusivos dos discos rígidos.

10

6.0 SISTEMAS DE ARQUIVOS
Após a formatação física, temos um HD dividido em trilhas, setores e cilindros.
Porém, para que este disco possa ser reconhecido e utilizado pelo sistema
operacional, é necessária uma nova formatação, chamada de formatação lógica.
A formatação lógica consiste em escrever no disco a estrutura do sistema de
arquivos utilizado pelo sistema operacional.
Um sistema de arquivos é um conjunto de estruturas lógicas e de rotinas que
permitem ao sistema operacional controlar o acesso ao disco rígido. Diferentes
sistemas operacionais usam diferentes sistemas de arquivos.
Para ilustrar este quadro, podemos imaginar que numa empresa tenhamos duas
secretárias, ambas com a função de organizar vários documentos, de modo que
possam localizar qualquer um deles com facilidade, sendo que ambas trabalham
separadamente. Cada uma, iria então, organizar os documentos da maneira que
achasse pessoalmente mais conveniente, e provavelmente uma não entenderia
a forma de organização da outra.
Do mesmo modo que as secretárias, os sistemas operacionais organizam o
disco do modo que permita armazenar e acessar os dados de maneira mais
eficiente, de acordo com os recursos, limitações e objetivos do sistema.
Diferentes sistemas operacionais existem com diferentes propósitos. O Windows
98, por exemplo, é destinado basicamente para o uso doméstico, tendo como
prioridade a facilidade de uso e a compatibilidade. Sistemas baseados no Unix já
tem como prioridade a estabilidade e segurança. Claro que com propósitos tão
diferentes, estes sistemas usam de diferentes artifícios para organizar os dados
no disco de modo a melhor atender seus objetivos.
Depois destas várias páginas de explicações técnicas, talvez você esteja
achando que este é um processo difícil, mas é justamente o contrário. Para
formatar um disco a ser utilizado pelo Windows 98 por exemplo, precisamos
apenas dar boot através de um disquete, e rodar o programa FDISK, seguido do
comando FORMAT C: (ou a letra da unidade a ser formatada).
Outros sistemas operacionais algumas vezes incluem até mesmo ^Wizzards ^
que orientam o usuário sobre a formatação lógica do disco durante o processo
de instalação.
Os sistemas de arquivos, mais usados atualmente são a FAT16, compatível com
o DOS e todas as versões do Windows, a FAT32, compatível apenas com o
Windows 98 e Windows 95 OSR/2 (uma versão ^debugada ^ do Windows 95,
com algumas melhorias, vendida pela Microsoft apenas em conjunto com
computadores novos), o NTFS, compatível com o Windows NT, e o HPFS
compatível como o OS/2.

6.1 FAT 12
A FAT 12 foi o primeiro sistema de arquivos utilizado em micros PCs, antes
mesmo da FAT 16. Neste arcaico sistema de arquivos são usados apenas 12
bits para formar o endereço de cada cluster, permitindo um total de 4096
clusters. O tamanho máximo para cada cluster neste sistema é 4 KB, permitindo
partições de até 16 MB.
Em 1981, quando o IBM PC foi lançado, 16 MB parecia ser uma capacidade
satisfatória, já que naquela época os discos rígidos mais caros (chegavam a
custar mais dólares) não tinham mais do que 10 MB, sendo o mais comum o uso
de discos de apenas 5 MB. Claro que, em se tratando de informática, por maior
que seja um limite, ele jamais será suficiente por muito tempo. Logo começaram
a ser usados discos de 40, 80 ou 120 MB, obrigando a Microsoft a criar a FAT
16, e incluí-la na versão 4.0 do MS-DOS.
Por ser um sistema de arquivos mais simples do que a FAT 16, a FAT 12 ainda
é utilizada pelo Windows 95/98 para formatar disquetes.
6.2 FAT 16
Este é o sistema de arquivos utilizado pelo MS-DOS, incluindo o DOS 7.0, e pelo
Windows 95, sendo compatível também com o Windows 98. Este sistema de
arquivos adota 16 bits para o endereçamento de dados, permitindo um máximo
de 65526 clusters, que não podem ser maiores que 32 KB. Esta é justamente a
maior limitação da FAT 16: como só podemos ter 65 mil clusters com tamanho
máximo de 32 KB cada, podemos criar partições de no máximo 2 Gigabytes
utilizando este sistema de arquivos. Caso tenhamos um HD maior, será
necessário dividi-lo em duas ou mais partições. O sistema operacional
reconhece cada partição como um disco distinto: caso tenhamos duas partições
por exemplo, a primeira aparecerá como C:\ e a segunda como D:\, exatamente
como se tivéssemos dois discos rígidos instalados na máquina.
Um cluster é a menor unidade de alocação de arquivos reconhecida pelo
sistema operacional, sendo que na FAT 16 podemos ter apenas 65 mil clusters
por partição. Este limite existe devido a cada cluster ter um endereço único,
através do qual é possível localizar onde determinado arquivo está armazenado.
Um arquivo grande é gravado no disco fragmentado em vários clusters, mas um
cluster não pode conter mais de um arquivo.
Em um disco de 2 Gigabytes formatado com FAT16, cada cluster possui 32
Kbytes. Digamos que vamos gravar neste disco 10.000 arquivos de texto, cada
um com apenas 300 bytes. Como um cluster não pode conter mais do que um
arquivo, cada arquivo iria ocupar um cluster inteiro, ou seja, 32 Kbytes! No total,
estes nossos 10.000 arquivos de 300 bytes cada, ocupariam ao invés de apenas
3 Megabytes, um total de 320 Megabytes no disco! Um enorme desperdício de
espaço.

É possível usar clusters menores usando a FAT16, porém, em partições
pequenas:
Tamanho da Partição Tamanho dos clusters
Entre 1 e 2 GB 32 Kbytes
Menos que 1 GB 16 Kbytes
Menos que 512 MB 8 Kbytes
Menos que 256 MB 4 Kbytes
Menos que 128 MB 2 Kbytes
Justamente devido ao tamanho dos clusters, não é recomendável usar a FAT16
para formatar partições com mais de 1 GB, caso contrário, com clusters de
32KB, o desperdício de espaço em disco será brutal.
A versão OSR/2 do Windows 95 (conhecido também como Windows “B”) trouxe
um novo sistema de arquivos chamado FAT32, o qual continua sendo utilizado
também no Windows 98.
6.3 V FAT
A FAT 16 usada pelo DOS possui uma grave limitação quanto ao tamanho dos
nomes de arquivos, que não podem ter mais do que 11 caracteres, sendo 8 para
o nome do arquivo e mais 3 para a extensão, como em “formular.doc”. O limite
de apenas 8 caracteres é um grande inconveniente, o “Boletim da 8º reunião
anual de diretoria” por exemplo, teria de ser gravado na forma de algo como
“8reandir.doc”, certamente um nome pouco legível.
Sabiamente, a Microsoft decidiu eliminar esta limitação no Windows 95. Para
conseguir derrubar esta barreira, e ao mesmo tempo continuar usando a FAT
16, evitando os custos de desenvolvimento e os problemas de incompatibilidade
que seriam gerados pela adoção de um novo sistema de arquivos (o Windows
95 original era compatível apenas com a FAT 16), optou-se por “remendar” a
FAT 16 com um novo sistema chamado VFAT.
Através do VFAT arquivos com nomes longos são gravados no diretório raiz
respeitando o formato 8.3 (oito letras e uma extensão de até 3 caracteres) sendo
o nome verdadeiro armazenado em uma área reservada. Se tivéssemos dois
arquivos, chamados de “Reunião anual de 1998” e “Reunião anual de 1999” por
exemplo, teríamos gravados no diretório raiz “Reunia~1” e “Reunia~2” . Se o
disco fosse lido a partir do DOS, o sistema leria apenas este nome simplificado.
Lendo o disco através do Windows 95 seria possível acessar as áreas ocultas
do VFAT e ver os nomes completos dos arquivos.

6.4 FAT 32
Uma evolução natural da antiga FAT16, a FAT32, utiliza 32 bits para o
endereçamento de cada cluster, permitindo clusters de apenas 4 KB, mesmo em
partições maiores que 2 GB. O tamanho máximo de uma partição com FAT32 é
de 2048 Gigabytes (2 Terabytes), o que a torna adequada para os discos de
grande capacidade que temos atualmente.
Usando este sistema de arquivos, nossos 10.000 arquivos de texto ocupariam
apenas 40 Megabytes, uma economia de espaço considerável. De fato, quando
convertemos uma partição em FAT16 para FAT32, é normal conseguirmos de
15 a 30% de diminuição do espaço ocupado no Disco. O problema, é que o
outros sistemas operacionais, incluindo o Linux, o OS/2, e mesmo o Windows
NT 4.0 e o Windows 95 antigo, não são capazes de acessar partições
formatadas com FAT32; somente o Windows 95 OSR/2 e o Windows 98 o são.
A desfragmentação do disco, seja qual for o programa usado também será bem
mais demorada devido ao maior número de clusters.
Um outro problema é que devido à maior quantidade de clusters à serem
gerenciados, a performance do HD deve cair um pouco, em torno de 3 ou 5%,
algo imperceptível na prática de qualquer maneira. Ainda assim, caso o seu
único sistema operacional seja o Windows 95 OSR/2 ou o Windows 98, é
recomendável o uso da FAT32 devido ao suporte a discos de grande
capacidade e economia de espaço.
6.5 NTFS
O NTFS é um sistema de arquivos de 32 bits usado pelo Windows NT. Nele, não
usamos clusters, sendo os setores do disco rígido endereçados diretamente.
A vantagem é que cada unidade de alocação possui apenas 512 bytes, sendo
quase nenhum o desperdício de espaço em disco. Somente o Windows NT é
capaz de entender este formato de arquivos, e a opção de formatar o HD em
NTFS é dada durante a instalação.
Apesar do Windows NT funcionar normalmente em partições formatadas com
FAT16, é mais recomendável o uso do NTFS, pois além dos clusters menores, e
o suporte a discos maiores que 2 Gigabytes, ele oferece também vários recursos
de gerenciamento de disco e de segurança inexistentes na FAT16 ou FAT32. É
possível, por exemplo, compaqtar isoladamente um determinado diretório do
disco e existem várias cópias de segurança da FAT, tornando a possibilidade de
perda de dados quase zero. Também existe o recurso de “hot fix”, onde setores
danificados são marcados automaticamente, sem a necessidade do uso de
utilitários como o Scandisk.

6.6 EXT2
O EXT2 é um sistema de arquivo utilizado apenas pelo Linux, que apresenta
vários recursos avançados de segurança e suporte a partições de até 4
Terabytes. Apenas os programas formatadores do Linux, como o Linux Fdisk e o
FIPS são capazes de criar partições em EXT2.

BAIXE A APOSTILA AQUI:https://mega.nz/#!qEAUELrC!WLbNzZqkF09adlMdqjpkHAQzBkEdwoF7dZ7O-Qq6C0w

 

GOSTOU DEIXE UM COMENTÁRIO E SIGA O SITE