Como configurar sua rede de PCs

Explicando de forma bem simples, computadores formam uma rede quando estão
conectados entre si, permitindo que os dados de um computador possam ser
enviados para os demais.
Praticamente todos os computadores modernos estão ligados a algum tipo de rede.
Mesmo um PC doméstico ou de um pequeno escritório, operando sem outros PCs
por perto, geralmente tem um modem para acessar a Internet, a rede mundial de
computadores. Nos locais onde existem pelo menos dois computadores, é muito
vantajoso que ambos sejam conectados formando uma pequena rede. É o caso por
exemplo das redes domésticas. Ao ser comprado um novo PC, o usuário pode optar
por não se desfazer do PC antigo. Se esses dois PCs forem ligados formando uma
rede, será possível que ambos compartilhem uma mesma impressora ou uma mesma
conexão com a Internet. Um dos PCs poderá armazenar arquivos no disco rígido do
outro. Será possível utilizar certos jogos de forma simultânea, por exemplo, jogos de
corrida e luta, cada usuário no seu próprio PC. Até mesmo usuários que possuem
dois PCs, sendo um de mesa e outro portátil, é conveniente ligá-los em rede para
transferência de dados e compartilhamento de impressora.
Em redes simples, comuns em pequenas empresas, os computadores poderão usar o
disco rígido, impressora e conexão com a Internet, centralizados em um computador
principal, chamado servidor. Em redes maiores poderão existir inúmeros servidores,
centralizando arquivos, disponibilizando impressoras, scanners, unidades de backup,
conexão com a Internet e outros recursos, para todos os demais computadores da
rede. É possível trocar mensagens (correio eletrônico) entre os usuários dos PCs da
empresa, ou mesmo fazer comunicações diretas, em tempo real, usando recursos de
som e vídeo.

Redes domésticas

As redes domésticas são formadas por PCs, notebooks, impressoras e conexões com
a Internet. Muitas vezes são chamadas de “rede doméstica ou de pequena empresa”,
já que as redes implantadas em pequenas empresas, formadas por apenas uma ou
duas salas, possuem estrutura semelhante. Na maioria dos casos existem apenas dois
PCs, mas este número pode ser um pouco maior. No exemplo da figura 1, um
computador antigo foi ligado a um computador novo. Este computador novo, por sua
vez, possui uma impressora e um modem para conexão com a Internet. O PC antigo
até pode ter sua própria conexão com a Internet, porém pode ser vantajoso que uma
única conexão seja compartilhada entre os PCs da rede. Desta forma dois usuários
podem usar a Internet ao mesmo tempo, utilizando uma única linha telefônica

Exemplo de rede doméstica.

1

Nesta pequena rede, o PC antigo pode ter acesso ao disco rígido do PC novo.
Normalmente este acesso não é feito de forma indiscriminada. O responsável por
esta pequena rede deve definir áreas do seu disco rígido que podem ser acessadas
pelo outro PC. Por exemplo, pode ser criada uma pasta no disco rígido do PC novo
na qual o usuário do PC antigo poderá ter pleno acesso, armazenando seus arquivos.
Digamos ainda que no PC novo exista uma pasta na qual estão armazenadas fotos
feitas com uma câmera digital. Esta pasta poderá ter seu acesso liberado para o PC
antigo. As pastas de um computador que podem ser acessadas por outro computador
da rede são chamadas de pastas compartilhadas. Na pequena rede do nosso
exemplo, além do compartilhamento de pastas temos o compartilhamento de
impressora e o compartilhamento de conexão com a Internet (ICS, ou Internet
Connection Sharing).
O computador que oferece recursos a outros computadores da rede é chamado de
servidor. No exemplo da figura 1, o servidor é o PC novo.
Os compartilhamentos podem ser protegidos por senhas, evitando que usuários não
autorizados tenham acesso a áreas particulares. Digamos que o PC antigo seja

utilizado por duas pessoas, João e Maria. No PC novo podemos ter pastas separadas
para cada usuário, por exemplo, C:\Arquivos de João e C:\Arquivos de Maria. Essas
pastas podem ser protegidas por senhas, evitando assim que João tenha acesso aos
arquivos de Maria, e vice-versa. Se não houver interesse em proteção de dados por
senhas, podemos deixar as senhas desabilitadas, o que normalmente ocorre em redes
domésticas. Já nas empresas, mesmo pequenas, o uso de senhas é muito mais
importante.

Rede formada por um PC e um
notebook.

1

Uma rede doméstica também pode ser incluir um notebook, como vemos na figura 2.
Em geral os notebooks são muito mais caros e mais limitados que um PC comum. O
notebook pode ser ligado a um outro PC para utilizar sua impressora, seu drive de
CD-ROM sua conexão com a Internet e uma área do seu disco rígido. Os notebooks
modernos são bem equipados e podem dispensar este tipo de conexão. Podem ser
ligados a uma impressora comum, possuem drive de CD-ROM e modem, sendo
assim auto-suficientes. Ainda assim a sua ligação em rede é vantajosa, permitindo
transferir rapidamente, grandes quantidades de dados, fazendo uma ligação “casaempresa”.
Uma outra aplicação: muitos profissionais liberais trabalham em casa ou
no seu pequeno escritório, usando seu computador principal, e copiam o trabalho
para um notebook, permitindo assim transportá-lo e mostrá-lo aos clientes.
As redes domésticas podem ser implementadas usando qualquer versão do Windows.
O Windows 95, o Windows 98 e o Windows ME permitem construir o tipo mais
simples de redes, as chamadas redes ponto-a-ponto. PCs equipados com o Windows
XP e Windows 2000 também podem ser usados neste tipo de rede. Essas redes são
adequadas tanto ao ambiente doméstico quanto às pequenas empresas. Para redes de
maior porte, é mais vantajoso utilizar as redes do tipo cliente-servidor. Os PCs
usados neste tipo de rede podem usar qualquer versão do Windows, entretanto
aqueles usados como servidores precisam usar um sistema operacional apropriado,
como o Windows 2000 Server ou o Linux.

Redes corporativas
Redes domésticas normalmente utilizam a arquitetura ponto-a-ponto, a única
disponível nos sistemas operacionais Windows de uso doméstico. Não faz sentido
instalar em um ambiente doméstico, um PC equipado com um sistema caro como o
Windows 2000 Server, apenas para implantar uma rede com arquitetura clienteservidor.
As redes ponto-a-ponto implantadas com o Windows são de uso muito
mais simples e instalação automática. Sua utilização está ao alcance mesmo dos
usuários principiantes.
Já as grandes redes utilizadas em empresas de porte médio e grande são baseadas na
arquitetura cliente-servidor. Sua instalação, configuração e utilização é um pouco
mais complicada para o administrador (o profissional responsável por “tomar conta”
da rede).
É preciso entender as classificações que os computadores recebem em uma rede, de
acordo com a sua utilização:
Servidor:
É um computador que oferece recursos para outros computadores da rede. Exemplos
desses recursos são impressoras e unidades de disco.
Cliente:
É um computador que utiliza os recursos de outro computador.
Estação de trabalho:
É um computador que pode ser utilizado para aplicações normais, executando
programas em geral.
Um computador pode fazer parte uma, duas ou até três dessas categorias. Considere
o exemplo da pequena rede da figura 3, formada por dois computadores. O indicado
como “MICRO 1” tem uma conexão com a Internet que é usada por ele próprio e
também pelo “MICRO 2”. Digamos ainda que áreas do disco rígido do “MICRO 1”
sejam acessadas pelo “MICRO 2”. Finalmente, considere que a impressora ligada no
“MICRO 2” é usada por ele próprio e também pelo “MICRO 1

Um computador pode ser ao mesmo
tempo cliente, servidor e estação de
trabalho.

Temos então as seguintes classificações:
a) Ambos os PCs são estações de trabalho, visto que podem ser utilizados
normalmente, cada um por seu usuário. Nas redes de maior porte temos
computadores classificados como servidores de dicados, ou simplesmente
servidores. São computadores cuja única finalidade é oferecer recursos para serem
usados por outros computadores da rede. Já nas redes domésticas e nas redes mais
simples, onde o número de PCs é muito reduzido, não faz sentido ter um servidor
dedicado.
b) Em relação ao acesso à Internet e ao acesso a arquivos, o MICRO 1 é um servidor
(não dedicado), e o MICRO 2 é um cliente.
c) Em relação ao acesso à impressora, o MICRO 2 é servidor (não dedicado) e o
MICRO 1 é cliente.
Como podemos ver, neste pequena rede ambos os PCs são servidores não dedicados,
são clientes e são estações de trabalho. Nas grandes redes os PCs dividem-se em
duas categorias:
a) Servidores dedicados. Todos os servidores são usados exclusivamente para
oferecer recursos para outros computadores da rede. Eventualmente um servidor de
arquivos pode ser cliente de um servidor de impressão, para emissão de relatórios
impressos. Esses servidores não são usados para trabalhos normais, apenas para
tarefas administrativas da rede (controle de senhas, backups, relatórios diversos,
ajustes de desempenho, etc.), e não para trabalhos normais, por isso não são
classificados como estações de trabalho. Como um típico servidor de uma grande
rede é sempre dedicado, não é necessário usar o termo servidor dedicado.
Chamamos esses computadores simplesmente de servidores.
b) Estações de trabalho (em inglês, workstations). São todos os demais
computadores da rede, que não operam como servidores. Esses computadores são
sempre clientes dos servidores. São usados para execução de tarefas normais,

atendendo exclusivamente o seu usuário. Como são clientes dos servidores, podem
ter acesso aos recursos oferecidos por esses servidores.

Uma pequena rede
corporativa com 8
computadores.

3

A figura 4 mostra a estrutura de uma pequena rede corporativa, com 7 computadores
e um servidor. Esses 7 computadores operam como estações de trabalho. Dois deles
possuem impressoras próprias (chamadas de impressoras locais). O servidor pode
ser um PC comum, porém mais rápido e com boa quantidade de memória e um disco
rígido de generosa capacidade. Para obter maior desempenho, muitas vezes são
usados PCs especiais, construídos especialmente para operar como servidores.
Normalmente são PCs avançados, que além de possuírem um ou mais processadores
rápidos, muita memória e discos rígidos de alta capacidade e desempenho, oferecem
recursos especiais como dispositivos de backup, fonte de alimentação dual e
gabinete especial para acomodar inúmeras placas e drives. Em geral possuem
também discos rígidos duais, que são tolerantes a falhas. Os mesmos dados são
gravados simultaneamente em dois discos. Se um disco falhar, os dados estarão a
salvo no segundo disco. O servidor do nosso exemplo está ligado a duas
impressoras. As impressoras para uso corporativo, com alta velocidade de
impressão, são muito caras para serem dedicadas a um só usuário. Ligadas no
servidor podem atender a todos os usuários da empresa.
Note que os computadores da figura 4 estão interligados através de um dispositivo
chamado HUB. Este é apenas um exemplo de dispositivo usado para a ligação de
computadores em redes. Os hubs são indicados para redes pequenas, mas para redes
mais complexas são usados outros dispositivos concentradores mais sofisticados.
Redes ponto-a-ponto

A Microsoft costuma usar o termo “rede doméstica ou para pequena empresa” como
um sinônimo de rede ponto-a-ponto. Essas redes são indicadas para pequenos
ambientes, formados por uma ou duas salas, onde todos os computadores estão bem
próximos. Não existe uma regra fixa para o número máximo de computadores que
podem ser usados em uma rede deste tipo. Tecnicamente é possível formar uma rede
ponto-a-ponto usando dezenas de computadores, entretanto existirão dificuldades de
gerenciamento e segurança que só são vencidas com o uso de uma rede mais
“profissional”, baseada na arquitetura cliente-servidor.
Neste tipo de rede, qualquer computador pode operar como servidor. Não existe
portanto a obrigatoriedade do uso de um servidor dedicado, apesar de normalmente
existir um. Pouca manutenção é exigida neste tipo de rede, e não é necessário a
presença de um profissional exclusivamente para administrar a rede. O sistema
operacional utilizado pode ser o próprio Windows, mesmo nas versões para uso
pessoal, como o 95, 98, Millennium ou XP. A instalação deste tipo de rede é bem
simples, baseado no uso de um Assistente de configuração, de uso quase automático.
Quando o número de computadores se torna maior, a rede ponto-a-ponto apresenta
uma série de desvantagens. Seu gerenciamento se torna mais difícil e sua segurança é
precária. Por exemplo, um usuário poderia gravar dezenas de Gigabytes de arquivos
no servidor, deixando o disco rígido praticamente cheio, o que o deixa inoperante.
Este é apenas um exemplo de vulnerabilidade apresentado pelas redes ponto-aponto.
São problemas que não preocupam no caso de uma rede doméstica, ou em
uma pequena empresa com meia dúzia de computadores.
Redes cliente-servidor
As redes com muitos computadores devem utilizar a arquitetura cliente-servidor.
Não existe uma regra fixa que defina um número mágico a partir do qual este tipo de
rede é mais indicado. É possível montar uma rede cliente-servidor usando apenas
dois computadores, entretanto esta não é a escolha mais sensata neste caso. O
servidor normalmente requer a presença de um profissional especializado, o
administrador. Não é justificável a contratação deste profissional para atuar em
redes muito pequenas.
Neste tipo de rede, as estações de trabalho acessam os recursos disponíveis em um
servidor dedicado. Este servidor (ou servidores, em redes maiores) deve usar um
sistema operacional apropriado para este tipo de rede, como o Windows NT,
Windows 2000 Server e o Linux. O servidor é operado apenas pelo administrador da
rede, usando seus próprios dispositivos de entrada-e-saída (monitor, teclado e
mouse), ou então a partir de uma estação de trabalho.
É possível definir contas de usuários com diversas restrições de acesso. Por
exemplo, certos usuários podem ter permissão para usar o servidor apenas em
determinados horários. Cada usuário pode ter permissão para utilizar apenas um
determinado espaço em disco, evitando a sobrecarga do servidor que poderia esgotar
a capacidade do seu disco. O servidor é capaz de gerar relatórios sobre as atividades

de cada usuário, o que pode alertar o administrador sobre tentativas de quebra de
segurança.
Do ponto de vista de hardware, não existe diferença entre uma rede ponto-a-ponto e
uma rede cliente servidor, exceto pelo maior número de equipamentos. Os mesmos
cabos, concentradores, computadores e dispositivos podem formar qualquer um dos
dois tipos de rede. A diferença está no sistema operacional utilizado pelo servidor, e
na configuração do software de acesso à rede feita nos clientes.
É até mesmo possível que uma rede opere em modo híbrido. Digamos que em uma
rede cliente-servidor, um usuário precisa utilizar a impressora de um outro usuário,
entretanto a referida impressora não é um recurso compartilhado da rede. No caso de
sistemas Windows, o usuário desta impressora pode instalar o serviço de
Compartilhamento de arquivos e impressoras em redes Microsoft e passar a operar
como um servidor de rede ponto-a-ponto. Sua impressora poderá ser acessada pelo
outro usuário, exatamente como ocorreria em uma rede ponto-a-ponto. Terminado o
uso, o usuário do computador que tem esta impressora pode desinstalar este serviço
de compartilhamento.
Custo de implantação de redes pequenas
Para ligar computadores em rede, normalmente são usados cabos apropriados, placas
de interface e concentradores (como os já citados hubs). Os equipamentos são
relativamente baratos no caso de redes pequenas, que não necessitam de servidores
dedicados. O custo é ainda menor no caso de pequenas redes formadas por dois
computadores. Neste caso especial não é preciso utilizar hubs. Basta ligar os dois
computadores diretamente usando um cabo de rede do tipo “crossed”, encontrado
com facilidade nas revendas de informática. Os cabos de rede mais usados são os do
tipo UTP (par trançado), com conectores RJ-45. Podem ser encontrados nas
modalidades normal e crossed. Os do tipo crossed são usados para ligar diretamente
dois computadores, sem o uso de hubs. Os do tipo normal são usados nas ligações
entre cada computador e o hub ou concentrador utilizado.

Cabo de rede UTP com conectores RJ-45.

Alguns PCs modernos possuem interface de rede integrada. Se ambos os PCs
envolvidos tiverem interfaces de rede, bastará comprar o cabo. Mesmo quando os
PCs não possuem interface de rede, o custo da instalação é pequeno, já que as placas
de rede são bem baratas.

Placa de rede.

4

É possível ainda implantar redes de dois PCs de várias outras formas econômicas,
ligando-os pela interface serial ou paralela. O desempenho será inferior ao obtido
com placas de rede, mas ainda assim adequado para diversas aplicações. O tipo de
cabo utilizado é vendido como “cabo laplink serial” ou “cabo laplink paralelo”. Para
formar a rede de dois PCs ligados por este tipo de cabo, usamos o programa
Conexão direta via cabo, que acompanha o Windows.

Cabo laplink.

5

Finalmente, é possível conectar dois PCs em rede utilizando as interfaces USB,
encontradas em todos os PCs atuais. Neste caso não basta usar um cabo USB, é
preciso adquirir um dispositivo apropriado, conhecido como USB-USB bridge.

6

Quando a rede possui mais de dois computadores, não é possível usar métodos
alternativos de conexão, como o cabo RJ-45 crossed, cabos laplink e o USB-USB
bridge. É preciso usar em cada computador, uma placa de rede, ligada por um cabo
RJ-45 até um hub ou outro tipo de concentrador.

HUB de 16 portas.

7

A tabela que se segue mostra o custo aproximado dos equipamentos de rede citados
aqui:
Dispositivo Custo aproximado
Cabo UTP / RJ-45 R$ 10
Placa de rede R$ 30
Cabo paralelo ou serial R$ 20
USB-USB bridge R$ 60
HUB R$ 100 – R$ 200
Vejamos então alguns exemplos de custos envolvidos na implantação de pequenas
redes:
a) Dois PCs que já possuem placa de rede
A solução mais indicada neste caso é ligá-los através da interface de rede. Bastará
comprar o cabo UTP/RJ-45 crossed, e o custo total ficará na faixa de R$10.
b) Dois PCs que não têm placa de rede
Ligá-los por um cabo laplink é a solução mais barata, o custo ficará na faixa de R$
20. O desempenho é satisfatório para a maioria das aplicações (cerca de 100 kB/s).
Muito maior entretanto será o desempenho obtido com o uso de placas de rede
(cerca de 10 MB/s). Valerá a pena portanto comprar uma placa de rede para cada PC
e ligá-los por um cabo UTP/RJ-45 crossed. O custo total será de cerca de R$ 70.
c) Quatro PCs
Esses PCs podem ser ligados através de um hub de 4 portas. Os hubs de 8 portas
custam praticamente o mesmo preço e ainda têm a vantagem de permitir futuras
instalações de novos computadores na rede. Cada computador precisará de uma
placa de rede e um cabo UTP/RJ-45 (R$ 40 por computador). Com 4 computadores
e um hub, o custo total será de cerca de R$ 360.
Aplicações das redes
Vimos que o custo de implantação de redes é relativamente pequeno, no caso de
redes domésticas e redes para pequenas empresas. A ligação de computadores em
rede é muita vantajosa pois traz inúmeros novos recursos, tanto em redes pequenas
como em redes corporativas.
Compartilhamento de arquivos
Com este recurso, o usuário tem ao seu dispor, não apenas as unidades de disco do
seu computador, mas também unidades virtuais localizadas em um servidor. Essas
unidades são na verdade pastas (diretórios) do servidor que são configuradas para
compartilhamento. As pastas podem ser configuradas para serem acessadas por
qualquer usuário (veja por exemplo, a pasta “Arquivos para TODOS”, na figura 10.

Podem ainda ser configuradas para serem usadas apenas por um usuário específico,
protegidas através de senhas (veja no exemplo da figura 10,

8

O compartilhamento de arquivos traz inúmeras vantagens. É possível por exemplo
copiar grandes quantidades de dados entre computadores diferentes, sem utilizar
disquetes ou outro meio de armazenamento. Fica fácil desta forma trabalhar em
grupo em ambientes empresariais, já que os arquivos centralizados podem ser
utilizados com facilidade por várias pessoas. Cada pasta compartilhada pode ser
configurada para uso geral (todos os usuários podem acessá-la), para uso específico
de um único usuário ou para acesso por grupos de usuários selecionados.
No sistema Windows, o acesso a pastas e impressoras compartilhadas é feito pelo
ícone Meus Locais de Rede.
Compartilhamento de impressoras
Uma impressora conectada a um servidor (que pode ser dedicado ou não) pode ser
configurada como compartilhada. Isto significa que outros computadores da rede
poderão utilizá-la. Assim como ocorre no caso do compartilhamento de arquivos, as
impressoras compartilhadas também podem ser configuradas para limitar o acesso
dependendo do usuário. Poderão ser de uso geral, de uso específico para um usuário
ou para um grupo de usuários. Impressoras de rede aparecem na pasta de
impressoras do Windows, assim como ocorre com as impressoras locais. No
exemplo da figura 11 temos três impressoras instaladas:
FAX: É o serviço de fax do Windows. Com ele qualquer documento pode ser
enviado por fax, como se estivesse sendo impresso. Basta abrir o documento
desejado com o seu aplicativo (por exemplo, um texto feito com o Microsoft Word)
e comandar Imprimir. Escolhemos então a impressora a ser usada e indicamos
“FAX”. O documento será enviado por fax, da mesma forma como se estivesse
sendo enviado a uma impressora comum.

HP Laser Jet Series II: Esta é uma impressora local, ou seja, ligada no próprio
computador.
HP 7550 Plus: Note que o ícone desta impressora é um pouco diferente, possui um
cabo de rede ligado a ele. Isto indica que trata-se de uma impressora de rede, ligada
em um servidor. No nosso exemplo, o servidor tem o nome de SW2000 (em uma
rede, cada computador precisa ter um nome).

Pasta de impressoras do Windows. Neste
exemplo, HP 7550 Plus é uma impressora de
rede.

9

Ao comandarmos uma impressão podemos sempre selecionar a impressora desejada.
Na figura 12 comandamos uma impressão com o Microsoft Word e indicamos a
impressora a ser usada como “\\SW2000\HP 7550 Plus”. O nome completo da
impressora de rede inclui o nome do computador (no nosso caso, SW2000) e o nome
da impressora (no nosso caso, HP 7550 Plus). De um modo geral, é usada a forma:
\\Nome do computador\Nome da impressora
Não é necessário entretanto conhecer esta sintaxe. Basta selecionar a impressora na
lista, que já aparece com o nome completo.

Indicando que impressão deve
ser feita em uma impressora da
rede.

10

Graças ao compartilhamento de impressoras, não é necessário que cada computador
da rede tenha a sua própria impressora local. Em redes maiores, certos computadores
até podem ter uma impressora local para a listagem de documentos sigilosos, porém
o trabalho pesado pode ser feito em uma impressora de rede. Existem impressoras a
laser de alto desempenho e alto custo. Produzem em poucos minutos, listagens que
pequenas impressoras a jato de tinta demorariam horas para gerar. Impressoras deste
tipo são muito caras, entretanto seu uso é justificável em grandes redes, já que
estarão disponíveis para um grande número de usuários. Este também é o caso das
impressoras a laser coloridas. São muito caras e produzem listagens com excepcional
qualidade. São melhores que as impressoras a jato de tinta no que diz respeito à
velocidade de impressão e à qualidade. Uma única impressora pode ser ligada em
uma rede, ficando disponível para vários usuários.
É claro que em uma pequena rede doméstica, o compartilhamento de impressora
também é um recurso interessante. Não é preciso ter uma impressora para cada
computador, e não é preciso usar caixas comutadoras de impressoras. Basta deixar a
impressora ligada a um dos micros e configurá-la como compartilhada. Esta
operação é bastante simples e está ilustrada na figura 13. Basta abrir a pasta de
impressoras, clicar na impressora local com o botão direito do mouse e no menu
escolher a opção Compartilhamento. Não se preocupe, este é um capítulo de
introdução. Nos próximos capítulos mostraremos com detalhes todas essas
operações.

Para compartilhar uma impressora.

11

Compartilhamento de conexão com a Internet
Compartilhamentos resultam em redução de custos, já que um único recurso caro
pode atender a um grande número de usuários. Em um ambiente empresarial,
praticamente todos os computadores têm acesso à Internet, mas não é necessário que
cada um deles tenha um modem e ocupe uma linha telefônica. Em geral existe uma
conexão de alta velocidade entre um servidor e a Internet, e através deste servidor os
demais PCs da rede acessam a Internet. Felizmente não apenas as grandes redes

podem contar com este recurso. Até uma pequena rede doméstica com apenas dois
micros pode ter um deles ligado à Internet por meios convencionais (modem e linha
telefônica, ou outros tipos de conexão), e esta conexão pode ficar disponibilizada
para os demais PCs da rede. Este recurso foi introduzido no Windows 98 Segunda
edição e está também presente no Windows ME, Windows 2000 e Windows XP.
Trata-se do ICS (Internet Connection Sharing, ou Compartilhamento de conexão
com a Internet). Uma só conta, um só modem e uma só linha telefônica podem
atender a dois ou mais computadores simultaneamente. É claro que quanto maior é o
número de computadores, menor será o desempenho, já que os dados de todos os
computadores passarão por uma única conexão. Ainda assim para redes muito
pequenas, como é o caso das redes domésticas, este tipo de compartilhamento é
bastante eficiente.

Compartilhamento de conexão
com a Internet em uma pequena
rede de 4 micros.

12

A figura 14 mostra o compartilhamento de conexão com a Internet em uma pequena
rede de 4 micros, interligados através de um hub. Um dos micros possui conexão
com a Internet. Note que este micro é o responsável pela ligação entre duas redes,
uma interna (formada pelos 4 micros) e uma externa (a Internet). Chamamos
genericamente de Gateway, os equipamentos responsáveis pela conexão entre redes.
Qualquer tipo de conexão com a Internet pode ser compartilhada através de uma
rede. Em redes maiores, é usada uma conexão de alta velocidade para ser
compartilhada entre todos os computadores. Desta forma todos eles ficam
conectados à Internet de forma permanente.
Para pequenas redes como a da figura 14, é aceitável usar uma conexão telefônica
comum no servidor para a ligação com a Internet. Não é preciso usar equipamentos
os softwares especiais. O próprio Windows (98SE ou superior) e modems comuns
podem ser usados. Esta configuração é bastante adequada a pequenas redes
domésticas (figura 15). Uma vez feita a conexão, os usuários de ambos os micros
podem usar a Internet simultaneamente.

Rede doméstica com dois micros
e compartilhamento de conexão
com a Internet.

13

Muitos prédios são atualmente ligados à Internet via rádio. Nesta configuração, um
servidor instalado no prédio pelo provedor de acesso é ligado aos apartamentos ou
salas comerciais por uma rede interna. Sendo assim, cada computador é ligado à
Internet não por um modem, mas por uma placa de rede. Esta configuração nada
mais é que uma rede para compartilhamento de conexão com a Internet.
No capítulo 7 mostraremos como compartilhar um modem para permitir o acesso à
Internet por vários computadores da rede, utilizando apenas uma linha.
Serviços de backup
Em redes domésticas não existe preocupação com backup. Não existem em geral
dados vitais a serem protegidos. Mesmo quando o usuário teve muito trabalho para
gerar ou reunir os dados, raramente existe preocupação com o backup. Por exemplo,
um usuário doméstico pode colecionar músicas MP3 durante alguns anos e acabar
reunindo alguns Gigabytes dessas músicas. Seria conveniente fazer um backup,
usando por exemplo um gravador de CDs. Na maioria das vezes entretanto isso não
é feito. Usando uma pequena rede, um computador poderia fazer o backup utilizando
o disco rígido de um servidor. Este servidor poderia ter um gravador de CDs, no
qual esses arquivos seriam gravados, para maior segurança.
Em ambientes corporativos, a situação é bem diferente. Dados vitais de uma empresa
não posem ser perdidos, caso contrário o prejuízo será grande. Por isso nesses
ambientes profissionais existe preocupação com o backup. Muitos servidores
possuem meios especiais de armazenamento para backup, como unidades de fita
magnética e discos óticos. Esses dispositivos também podem ser compartilhados
através da rede, permitindo que todos os usuários os utilizem. Outro método de
backup comum consiste em cada usuário fazer uma cópia de seus arquivos
importantes para o servidor. O administrador da rede, por sua vez, providencia o
backup dos arquivos existentes no servidor.

Uma unidade de fita
magnética.

14

Dependendo da capacidade, as unidades de fita magnética podem custar dezenas de
milhares de dólares. As fitas magnéticas usadas nas unidades mais avançadas
armazenam entretanto centenas e até milhares de Gigabytes, possibilitando o backup
dos dados de inúmeros computadores.
Jogos
É uma verdadeira praga em um ambiente empresarial. Imagine por exemplo cinco
funcionários, todos eles utilizando um jogo de corridas como o Need for Speed, ou
um jogo de lutas como o Return to Wolfenstein Castle. Cada jogador não está
competindo apenas com oponentes artificiais gerados pelo jogo. Está na verdade
jogando contra seus colegas de trabalho. Através da rede, cada cópia do jogo
operando em um computador envia informações sobre a localização e as ações do
seu usuário. Também recebe informações semelhantes vindas dos outros usuários do
jogo. Neste ambiente chamado de multiplayer, todos os usuários participantes fazem
parte do mesmo mundo virtual, e interagem entre si. É claro que é perigoso jogar
assim no trabalho. O chefe pode chegar e usuário perde o seu emprego.
Um dos primeiros jogos a operarem no modo Multiplayer foi o DOOM 2 (figura
17). Operava no modo MS-DOS e fez muito sucesso em meados da década de 1990.
Podia ser utilizado por até quatro jogadores em rede, ou dois através de conexão
direta pelas interfaces seriais. No exemplo da figura 17, executamos o jogo em três
computadores no modo multiplayer. Designamos os jogadores como A, B e C. Neste
figura temos a visão das telas do jogador A e do jogador C. Como mostra a figura, o
jogador A vê os jogadores B e C. O jogador C vê os jogadores A e B. Não está
mostrado, mas o jogador B vê na sua tela, os jogadores A e C. É possível jogar de
forma cooperativa (todos juntos contra um inimigo comum) ou uns contra os outros.

Telas do
DOOM2.

15

Praticamente todos os jogos de corridas e lutas produzidos a partir de então operam
em modo multiplayer, através de uma rede, ou então via Internet. Na figura 18
vemos um outro jogo bastante popular no final da década de 1990, o Jedi Knight.

Para quem gosta de jogos, é bem interessante usá-los através de uma rede. Com uma
pequena rede doméstica você poderá lutar contra um oponente real (seu irmão ou um
colega, por exemplo). Também poderá usar jogos de corrida, e até jogos como
futebol e outros esportes. Note que é necessário que cada computador tenha uma
cópia do jogo a ser utilizado.
Correio eletrônico
Computadores que têm acesso à Internet podem enviar e receber mensagens
eletrônicas (e-mails). Dentro de uma empresa, o número de mensagens internas
tende a ser muito maior que o de mensagens externas. A conexão com a Internet é
bastante poupada quando as mensagens trocadas entre dois membros da mesma rede
podem ser transmitidas através da própria rede, sem o uso da rede externa (Internet).
Os programas de correio eletrônico podem portanto estabelecer uma conexão com
um servidor de e-mails interno, o que torna a troca de mensagens bem mais rápida.
Troca de mensagens
O correio eletrônico é uma forma bem eficiente de comunicação, pois não
interrompe o receptor para o atendimento das mensagens. O receptor lerá suas
mensagens em um instante oportuno, e não precisará interromper outras atividades.
Existem entretanto casos em que a comunicação deve ser feita de forma imediata,

com urgência. Através de uma rede é possível trocar este tipo de mensagem, em
tempo real. As mensagens podem ter a forma de texto, ou então podem ser usados
recursos de som e vídeo, através de câmeras e microfones.

Comunicação por texto, som e vídeo através de uma
rede.

16

Acesso remoto
Através de uma rede, um computador pode controlar outro computador. É o que
chamamos de acesso remoto. Digamos por exemplo que você trabalha em uma
empresa de médio ou grande porte e que precisa utilizar o seu computador que está
localizado em outro andar, ou mesmo em outro prédio. Você pode utilizar um
computador qualquer da rede para estabelecer uma conexão com o seu computador,
através do fornecimento de uma senha. O conteúdo da tela do seu computador será
mostrado na tela do computador que você estiver utilizando. Desta forma é possível,
por exemplo, um administrador controlar um servidor a partir de uma estação de
trabalho. É possível ainda prestar suporte técnico para outros usuários sem ter que ir
até o local onde está o computador deste usuário. Até recentemente este recurso era
implementado com programas especiais, como o PC Anywhere, da Symantec. O
Windows XP traz esses recursos embutidos, tornando fácil o acesso remoto e
dispensando o uso de softwares adicionais.

17

Vale a pena montar uma rede
Quem nunca utilizou os recursos de uma rede pode se dar ao luxo de manter um
pequeno grupo de computadores funcionando de forma isolada. Entretanto por
menor que seja o número de computadores, serão muitas as vantagens de ligá-los em
rede, o que irá oferecer novos recursos como os que citamos neste capítulo. Ao fazer
uso desses recursos, você nunca mais conseguirá usar computadores de forma
isolada. Mesmo no caso de dois PCs que formam a maioria das domésticas, esta
ligação é muito vantajosa, simples, barata e fácil de usar.

GOSTOU SIGA O SITE

LCM DIZ::Deixe um um comentario:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s