MAGIA SEXUAL

EU quero além do mais que tu aprendas, meu querido Filho, a reta Arte de Conduta para com aqueles que Eu te darei para Iniciação. E a Regra aí é uma Regra Única: Faze o que tu deverá ser o todo da Lei. Cuida Constantemente de que esta não seja quebrada; especialmente naquela sua Seção (assim ouso dizer) que reza: Trata da Tua Vida. Isto se aplica igualmente a todos, e o mais perigoso dos Homens (ou das Mulheres, como tem ocorrido, ou Eu erro) é o Intrometido. Ó como nos envergonhamos, e como nos indignamos com os Pecados e as Tolices dos nossos Semelhantes! De todas as Manifestações desta Mazela, a mais comum é o Desejo Sexual insatisfeito; e tu sabes já, mesmo em tua tenra Experiência, como naquele Delírio o Bem-Estar do Universo inteiro parece insignificante. Desprende portanto teus Bebês daquela Infantilidade, e instila o senso de verdadeira Proporção. Pois em verdade este é um Caminho de Loucura, o Amor, a não ser que seja sob Vontade. E curar esta Loucura não é tão bom quanto prevÊ-la; de forma que tu deverias prevenir estas Crianças, mostrando-lhes a reta Importância do Amor: como este deve ser um Rito sagrado, exaltado acima da Personalidade, e um Fogo para iluminar e servir o Homem, não para devorá-lo.”
Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei

“É somente quando a consciência se retira do instrumento de desejo (o falo) que o espírito está livre para manifestar-se na forma consoante com o objetivo do rito mágico. O falo (o leão) é para Vontade Mágica o que o Sol é para Sírius; ele é um reflexo na esfera mundana da inteligência trans-terrestre.”
Kenneth Grant

Um dos motivos por querer escrever esse ensaio foi, ou melhor, é a maneira de como a sexualidade ritualística é encarada até hoje. Não é somente na sexualidade ritualística que se encontra o medo dogmático levado ao extremo, causando assim, fobias sexuais e neuroses.
A castração psíquica sexual não envolve somente a Magia Sexual, pelo contrário, a Magia Sexual é bem menos açoitada pelo seu mínimo conhecimento da população em geral, porém, o sexo em si foi e é motivo de perseguição até hoje.
O ato do sexo é o que faz a vida se manifestar, o poder criativo que tudo subjuga no Cosmo e que criou o próprio Cosmo.
O útero é o local sagrado onde o milagre da criação é encenado, ou seja, o sacrifício da semente do homem é despejado em louvor a Deusa.
Mesmo nos dias de hoje o direito humano é negado e esse ensaio luta pela liberdade de expressão sexual.
Embora o tema social da sexualidade não seja amplamente estudado neste ensaio – pois ele toma frente ao estudo mágico da sexualidade – ele é descrito nas entrelinhas.
Sempre que um seguidor e praticante dos Antigos Mistérios toma sua ação de liberdade em divulgar sua filosofia e praticá-la, logo é tomado por críticas por aqueles dogmáticos que acreditam no pecado original. A velha história sempre aparece: “a adoração do diabo” inventada pela Igreja Romana.
Ninguém reclama quando muçulmanos constroem uma mesquita ou um Templo Hindu é construído em uma comunidade de maioria católica, para atender aos seus fiéis, mas basta um grupo de praticantes dos antigos Mistérios acender uma fogueira no topo de uma colina para celebrar Beltane  que os moradores do local se levantam em protesto. Ninguém comenta nos jornais quando uma procissão sai às ruas para comemorar o Ano-Novo chinês ou o fim do Ramadan , ou um festival de Ganesha. Porém, se um grupo ocultista realiza um festival para celebrar suas crenças, a imprensa sensacionalista está lá, junto a grupos que se dizem cristãos, com seus cartazes denunciando algo que já era sagrado muito antes da cristandade existir e seus membros começarem a queimar livros,
registros e material de valor inestimável, só porque celebravam um estilo de vida diferente do seu.
Um ponto significativo deve ser tratado nessa introdução. Vivemos em um país cristão [o mais católico do mundo] e todos sabem que o homem é o que é o seu meio social, claro, existindo suas exceções. A maneira como pensamos e nos comportamos está condicionada por onde e como vivemos. No que diz respeito ao sexo, praticamente em todos os lugares, ele é tolerado ou condenado.
Isso existe em todos os ramos do conhecimento. Quase sempre o que é ruim para o ocidental e bom para o oriental.
No oriente o sexo é tratado de maneira, digamos, “madura”, ou seja, lá [no oriente] o sexo é visto como um presente da divindade e quase sempre faz parte dos ritos religiosos e faz parte também da cultura social em si.
Há pouco tempo em Juiz de Fora e em cidades ao redor uma lei foi aprovada, o homossexualismo aberto. Agora, todo homem que gostar de outro homem ou o mesmo para mulher, pode andar a vontade, abraçado e beijando como um casal de namorados heterossexuais.
Isso foi motivo de escândalo para a sociedade cristã que não se rebelou por medo, porém, como em toda a parte em que a cultura dogmática domina, só se falava no “absurdo”.
O que eles não sabem (e até ignoram que não sabem) é que isso é normal em países orientais.
O que quero passar é que não há dogmas na sexualidade (ou pelo menos não deveria haver), ou seja, ela deve ser encarada como é, livre e sem preconceitos, apenas segue seu curso.
Nessa sociedade [dogmática], o fator “aceitação” é o mais difícil. Ele até existe, porém, podemos dizer que “passa seco pela garganta”. O ser humano [dogmático], não aceita seu próximo. Eu mesmo conheço mulheres  brancas que quando são elogiadas por homens brancos sentem-se maravilhadas e quando são elogiadas por homens negros sentem-se ofendidas e dizem: “esses negros não enxergam seu lugar”. Esses, que assim o fazem, estão cavando sua fossa e deveriam ser jogados aos cães, afinal, todo homem e toda mulher é uma estrela…
Um fator extremo também, no nosso caso, é o uso indevido da corrente sexual.
A energia sexual é a energia da criação, ou seja, é a força mais poderosa do universo. Sendo assim, é necessário um amplo treinamento interno para poder utilizar essa energia com a devida eficiência.
Esse treinamento consiste em Hatta Yôga, meditações, vocalizações e etc.
Então seria bom que o iniciante soubesse que o uso indevido dessa força pode trazer catástrofes sexuais sérias como problemas nos órgãos sexuais, incapacidade sexual e doenças…
A AIDS assola o mundo. Ora, Magia Sexual não se pratica de camisinha. Assim indico ao leitor (se esse não for um iniciado) que pelo menos antes de praticar a Magia Sexual com
alguém, tenha plena confiança nessa pessoa, exija exames médicos com intervalos de três meses. Um iniciado sabe que para se praticar “bem” a Magia Sexual, necessita estar com uma Sacerdotisa Iniciada na arte, ou seja, no caso da O.T.O., que ela faça parte do Soberano Santuário da Gnosis.
Não que não possa praticar com uma iniciada, porém, seria ótimo se a Shakti fosse uma.
O perigo não só da AIDS, mas também de outras DST [doenças sexualmente transmissíveis] pode estragar um trabalho na “Grande Obra”. O sexo é divino e um presente dos Deuses, sendo assim, ele deve ser oferecido a Eles, mas para isso, é necessário estar limpo…
Opus Gnosticum Liber vem ao público como um material de pesquisa referente a Magia Sexual tão difundida nas verdadeiras escolas de mistérios.
Este tema até hoje tem sido mantido em segredo e o próprio Crowley nos diz da seguinte maneira em um de seus comentários  a respeito de Liber Ágape : “Este segredo encerra a verdadeira chave da magia, quer dizer, por meio da utilização correta deste segredo, o homem pode impor sua Vontade à natureza, e ainda que todo conhecimento registrado fosse destruído, seria possível para um adepto, em poder deste segredo, restaurar o conhecimento.”
O próprio Crowley nos diz que o supremo segredo da O.T.O. está contido no Liber citado acima e no capítulo XXXVI do Liber CCCXXXIII (333), falsamente chamado de Livro das mentiras.
Adentraremos no segredo máximo do Santuário da Gnosis, estudaremos a jóia do IX° Ordo Templi Orientis e assim quem sabe o segredo de Liber Ágape se torne difundido para que o ser humano possa perceber a maravilha que é o Templo, a Mulher, o Cálice na Mão de Nossa Senhora BABALON…
Aqui encontra-se o segredo da eucaristia de um só Elemento, o elemento dos elementos, o que conhecemos com o termo de elixir da longa vida.
Desfrute com deleite mágico e tome sua fartura de amor assim como está escrito em nosso santo livro entregue ao profeta. Neste livro encontramos a citação: “Vê ! Isto é revelado por Aiwass o ministro de Hoor-Paar-Kraat. O Khabs está no Khu, não o Khu no Khabs. Adore então o Khabs, e contemple minha luz derramada sobre vós !”
Sobre esta passagem em nosso Livro Santo Kenneth Grant afirma o seguinte: “Khabs é uma palavra egípcia que significa ‘estrela’, e o Khu é a essência ou o poder mágico feminino. A
estrela (isto é, Sótis, a estrela de Shaitan) reside no poder mágico da essência geradora da fêmea, pois a Estrela-Cão é Sótis, que também é chamada alma de Ísis. Pela adoração (isto é, utilizando deliberadamente ou ritualmente) desta ‘Estrela’, a luz de Shaitan também é invocada. Estes versos compreendem a fórmula inteira da Magia Sexual e seu modo de utilização.”  
Retire da mente todos os dogmas crististas e entre em um mundo de êxtase divino e crie, crie como Deus porque tu és uma estrela e como estrela deve brilhar assim como foi escrito “Não existe deus senão o ser humano”.
Eis que em tuas mãos tem o segredo sacro da vida e com ele tu és Sacerdote segundo a ordem de Melkisedeck, tu és Deus e cria como ele, tu és santo e brilha como estrela.
Quando estás a exercer sua função como Deus, quando encontra-se neste estado, nada mais existe senão tua criação e lá, tu crias o que bem entende porque tu és uma estrela. Compreenda isso e aceite a Lei deste novo Æon para que tu rompas com todas as amarras que o prendem.
Viva a luz da liberdade, viva a luz de Thelema e como Deus crie, pois esta é tua função no caminho da iniciação.
Pense apenas em criar para que aquilo de divino em ti floresça pela tua criação.
Amor, êxtase, gozo divino e supremo na Magia da Criação…
Crowley fala de amor em um de seus textos e transcreverei um pouco deste maravilhoso texto:

“Portanto, nós consideramos o Amor santo, a religião de nossos corações, a ciência de nossas mentes. Não terá Ele o Seu Rito designado, Seus Sacerdotes e poetas, Seus criadores de Beleza em cor e forma para adorná-Lo, Seus músicos para saudá-Lo? Não deverão Seus Teólogos, adivinhando a natureza Dele, declará-Lo? Não devem mesmo aqueles que apenas varrem o terreno em frente do Seu templo partilhar através disto da pessoa Dele? Não deverá nosso cientista por as mãos Nele, medi-lo, descobrir profundezas, calcular seus cumes, e decifrar as leis de sua Natureza?
Também para nós de Thelema, que assim treinamos nossos corações e mentes para serem peritos engenheiros daquele arranha-céu, o Amor, o navio para voar até o Sol; para nós o ato de Amor é a consagração do corpo ao Amor. Nós queimamos nosso copo no Altar do Amor, para que mesmo o bruto possa servir à Vontade da Alma. Devemos então estudar a arte do Amor Físico. Não devemos frustrar ou trabalhar mal. Devemos ser frios e competentes como cirurgiões; cérebro, olho e mão, os instrumentos perfeitamente treinados a Vontade. Devemos estudar o assunto abertamente e impessoalmente,  devemos ler os tratados, ouvir lições, assistir demonstrações, obter nossos diplomas antes de entrarmos na prática.
Não queremos dizer o mesmo que o “cristão” quando dizemos “o ato de Amor”. Para nós não é o gesto grosseiro de um homem sofrendo um ataque, não é uma luta, um espasmo sem senso, uma súbita repulsão de vergonha, como é com ele.
Temos uma arte de expressão; estamos treinados para interpretar a alma e o espírito em termos do corpo. Não negamos a existência do corpo, nem o desprezamos; recusamos, porém, a considerá-lo
sob qualquer outra perspectiva que esta: é o órgão do Ente. Deve, no entanto, ser ordenado de acordo com suas próprias leis; aquelas do Ente mental ou moral não se aplicam a ele. Nós Amamos; isto é, nós queremos unir-nos; então um deve estudar o outro, adivinhar toda borboleta pensamento que passa, e oferecer-lhe a flor que ela mais aprecia. O vocabulário do Amor é pequeno, seus termos triviais; buscar novas palavras e frases é ser afetado.
Mas a linguagem do corpo nunca se exaure; nós podemos falar durante uma hora como uma pestana. Existem coisas íntimas, delicadas, sombras das folhas da Árvore da Alma que dançam na brisa do Amor, tão sutis que nem Keats nem Heine em palavras, nem Brahms nem Debussy em música, puderam dar-lhe corpo. É a agonia de todo artista, quanto maior ele é, maior o seu desespero, pois, não consegue expressar todas essas coisas. E aquilo que não podem fazer, nem uma única vez numa vida de ardor,  é feito em toda plenitude pelo corpo que, Amando, aprendeu a lição de como Amar.”

Aqui, neste ensaio, além de darmos a conhecer os dois caminhos tântricos, o da mão esquerda e direita, fazemos, ou melhor, damos ênfase ao caminho da mão esquerda, pois este, é o supremo segredo da O.T.O.
Muito se tem falado sobre esse caminho tântrico, diversas escolas o interpretam como Magia Negra, o que difato não é. Vendo essa calamidade irei fazer um breve comentário a esse caminho:
Esse termo, Tantra da Esquerda ou “Vama-Marga” tem sofrido as mais diversas interpretações, a maioria como não poderia deixar de ser – depreciatórias. O termo deve ser usado no senso exclusivo na tradição dos mistérios orientais.
A palavra esquerda não possui qualquer implicação ética, moral ou teológica. Esse é mais um exemplo de como conceitos puramente técnicos foram mal interpretados e mal compreendidos por nossa civilização ocidental.
Vama-Marga é o aspecto esotérico do TANTRA, do qual, o aspecto exotérico é chamado “Dakshina-Marga”. Estas distinções nada têm haver com Magia Branca ou Negra como é erroneamente suposto. Todos sabem que o tantra usa a Sacerdotisa ou “Shakti” em suas operações.
Com relação ao sistema Thelêmico temos:
BABALON (Babal = porta, On = Sol) significa “O Portal do Sol”; Ela admite a ‘força solar’ através de seu portal, canal, passagem e “cat” isto é, gata em inglês, pudenta. Como a gata, Ela é a Lua, ou o Sol refletindo o “Olho de Amentá”; o Olho Esquerdo do espaço assim como o Sol é o direito. Assim Vama-Marga literalmente significa caminho envolvendo o uso da mulher, a fêmea usada e considerada como o esquerdo ou lunar aspecto da Criação.
O nome BABALON é numericamente equivalente a 156, enquanto que a forma corrupta ou apocalíptica BABYLON (Babilônia) soma 165 – um número que não possui qualquer significância particular Qabalística. 156, por outro lado, leva várias idéias relacionadas com a função da “Mulher Escarlate”. Por exemplo, o número de TzIVN, ZION, a Montanha Sagrada e também o número da Cidade das Pirâmides sob a noite de Pã que deve ser penetrada e explorada através do mágico uso de BABALON. Também é, de acordo com Liber CDXVIII (418), o número do CHAOS , que é uma concepção de singular importância
na Qabalah, pois assim é um secreto nome da Besta. BABALON está assim identificada com o verdadeiro Senhor.
A Cidade das Pirâmides é Binah, a terceira Sephira da Árvore da Vida. Refere-se a Saturno e, portanto, identifica a mais antiga concepção de ‘Geratriz’. A final destruição do conhecimento de Daath, a falsa Sephira, abre os portais da Cidade das Pirâmides.
Em outra forma de compreensão, a Cidade das Pirâmides compreende as séries de sessões piramidais – 156 em número – ao lado dos quatro lados das Torres do Universo.
É dito na tradição cristã que o Filho se senta ao lado direito de seu Pai. Isso nos faz indagar de quem estaria ao lado esquerdo, pois afinal, esse Pai não teria só o lado direito…
Outros ainda nos perguntam o porque de usar esse caminho tântrico. Quanto a isso podemos observar:

“De modo a transformar a energia sexual em energia mágica (ojas), a Serpente de Fogo (Kundalini) adormecida na base da espinha é desperta. Ela então limpa a energia vital de tudo o que é negativo através da virtude purificadora de ser calor extremo. Assim, a função do sêmen no tantra é construir o ‘corpo de luz’, como corpo interior do ser humano. A medida em que o fluído vital se acumula nos testículos, ele é consumido pelo calor da Serpente de Fogo e os vapores voláteis deste sêmen fortalecem o corpo interior.”
“Os praticantes deste caminho trabalham com as secreções que fluem da genitália feminina e não com a mera pronúncia de letras do alfabeto que, apesar de sua utilização mântrica para carregar e direcionar os fluídos, tem pouca ou nenhuma utilidade além desta.”
“(…) pela veneração tântrica da Serpente de Fogo através da vagina da mulher escolhida para representar a Deusa, a Kundalini relampeja para cima e, finalmente, se une em êxtase ao seu Senhor Shiva no local da Lótus de Mil Pétalas.”

Amor é a lei, amor sob vontade….

BOM SE GOSTOU DEIXE UM COMENTÁRIO K COLOCO MAIS AQUI..