Modelo OSI

A Organização Internacional para Padronização (ISO), é a instituição responsável pela implantação de um modelo geral para interconexão de sistema denominado Modelo de Referência para a Interconexão de Sistemas Abertos (modelo OSI).

O objetivo principal do modelo OSI é proporcionar uma base para a coordenação do desenvolvimento de padrões relativos à interconexão de sistemas de maneira flexível e utilizando facilidades de comunicação de dados.

 

Conceitos e Objetivos

 

O modelo OSI diz respeito à interconexão de sistemas – o modo como eles trocam informações – e não às funções internas que são executadas por um dado sistema. O modelo OSI oferece uma visão generalizada de uma arquitetura estratificada e  organizada em camadas). Pela definição que foi dada a sistema, a arquitetura aplica-se a sistemas muito simples, como a conexão de um terminal a um computador, e a sistemas muito complexos, como a interconexão de duas redes completas de computadores. OSI também pode ser usado como modelo para uma arquitetura de rede. O desenvolvimento deste modelo está constantemente sofrendo alterações para poder adaptar-se aos diversos sistemas existentes.

 

Camadas

 

O modelo OSI utiliza uma abordagem estratificada com certos conjuntos de funções alocados às diversas camadas.

Uma entidade é um elemento ativo em uma camada. Duas entidades em uma mesma camada são denominadas entidades pares. As entidades de uma camada prestam serviços às entidades da camada imediatamente acima e, por sua vez, recebem serviços da camada situada imediatamente abaixo. Por exemplo, as entidades da camada de apresentação prestam serviços à camada de aplicação e recebem serviços da camada de sessão.

 

1. Física

 

Ativação e desativação das conexões físicas, mediante solicitação da camada de enlace de dados.Transmissão dos bits por uma conexão física em modo síncrono ou assíncrono.Tratamento das atividades de gerência da camada física, inclusive a ativação e o controle de erros.

 

2. Enlace de Dados

Estabelecimento e liberação de conexões de enlace de dados.Sincronização da recepção de dados que tiverem sido partidos por  várias conexões físicas. Detecção e correção de erros de transmissão, com retransmissão de quadros, se necessário.

 

3. Rede

 

Determinação de um roteamento ótimo sobre as conexões de rede que podem existir entre dois endereços de rede. Provisão de uma conexão de rede entre duas entidades de transporte. Multiplexação de múltiplas conexões de rede em uma única conexão de enlace de dados. Tratamento das atividades da camada de rede, inclusive ativação e controle de erros.

 

4. Transporte

 

Colocação em seqüência das unidades de dados transferidas, para garantir que sejam entregues na mesma seqüência em que foram enviadas. Detecção de erros e recuperação após erros. Controle de fluxo de dados para evitar sobrecarga dos recursos da rede. Realização das atividades de supervisão da camada de transporte.

 

5. Sessão

 

Provimento de um mapeamento um-para-um entre uma conexão de sessão e uma conexão de apresentação, em qualquer momento. Evitar que uma entidade de apresentação seja sobrecarregada de dados, pelo uso do controle de fluxo de transporte. Restabelecimento de uma conexão de transporte para suportar uma conexão de sessão. Realização das atividades de gerência da camada de sessão.

 

6. Apresentação

 

Emissão de uma solicitação para que a camada de sessão estabeleça uma sessão. Iniciação da transferência de dados entre entidades de aplicação ou usuários. Execução de quaisquer transformações ou conversões de dados que forem requeridas. Emissão de uma solicitação para que a camada de sessão encerre a sessão.

 

7. Aplicação

 

Execução das funções de aplicação comuns, que são funções que proporcionam capacidades úteis a muitas aplicações. Execução das funções de aplicação específicas, que são funções necessárias para atenderem aos requisitos de uma particular aplicação.

GOSTOU DEIXE UM COMENTÁRIO

por Paulista Postado em Rede Com a tag